Preparação para os testes

07 de outubro de 2015 - Fascículo 02

Preparação para os testes

Operação está mais próxima

A contagem regressiva para o início de uma nova era na industrialização do Ceará já começou. No primeiro semestre de 2016, a Companhia Siderúrgica do Ceará (CSP), localizada no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), começará a produzir oficialmente, potencializando todos os efeitos positivos que, como grande empreendimento, já trouxe para o Ceará. Atração de indústrias da cadeia produtiva siderúrgica, geração de emprego e renda são apenas alguns desses efeitos, que se multiplicam em um círculo virtuoso por todos os setores da economia do Estado.

   Para se ter uma ideia, a estimativa é que a CSP tenha um impacto de 12% no Produto Interno Bruto (PIE) do Estado. Constituída pela joint venture entre a brasileira Vale (50%) e as sul-coreanas Dongkuk (30%) e Posco (20%), a CSP já teve quase US$ 3 bilhões investidos no empreendimento desde 2008, de um total de US$ 5,4 bilhões previstos. Hoje, a CSP está na fase final de implantação, com 87% das obras referentes à etapa de construção concluídas.

  A engenharia está 100% finalizada, além das compras e fabricação de equipamentos (procurement) com 99% concluídos. Atualmente, o empreendimento está em fase de preparação para dar início aos primeiros testes. No último mês de agosto, a Companhia recebeu a Autorização Ambiental (AI) n° 21/2015 da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), liberando o começo dos testes e as pré-operações das áreas de sinterização, alto-forno, aciaria, lingotamento contínuo, pátio de placas, transporte ferroviário, além das unidades administrativas e de gerenciamento de resíduos.

Composição

  A siderúrgica tem 22 plantas, sendo seis principais e 16 auxiliares. De acordo com a direção do empreendimento, desde julho deste ano, todas as plantas estão sendo energizadas para que, concluído esse processo, possam iniciar os testes. "Essa fase da energização segue até o fim de outubro", destaca a direção da CSP. Ainda segundo a direção do empreendimento, ao entrar em operação, a Companhia Siderúrgica do Pecém produzirá gradativamente, durante seis meses, até atingir a sua produção nominal de 3 milhões de toneladas de placas de aço/ano para exportação. As primeiras empresas diretamente ligadas à CSP que chegaram ao Ceará também devem iniciar em breve suas operações, uma vez que terão papel importante no funcionamento da siderúrgica.

  Entre elas, está a Vale Pecém, indústria da mineradora brasileira Vale que será fornecedora de matéria-prima para a CSP. Outra empresa é a White Martins, que terá uma planta criogênica de separação de gases industriais para emprego na unidade industrial da CSP.  Assim como a siderúrgica, essas duas empresas estão localizadas na Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE do Ceará).


Notícias

Outras Notícias